Destaques

Homem é encontrado morto sem a cabeça e os braços

Noé Rosa da Cruz, de 48 anos, pode ter sido morto por causa de uma desavença com dois adolescentes de 15 e 16 anos, que são suspeitos do crime

Dois adolescentes, de 15 e 16 anos, são suspeitos de matar, decapitar, cortar os braços e tentar arrancar o coração de Noé Rosa da Cruz, de 47 anos, em Governador Valadares. na região do Rio Doce. Antes de executarem o crime, eles embriagaram a vítima com um litro de cachaça. O crime, que chocou os moradores do bairro Palmeiras, ocorreu na madrugada desta terça-feira (18).

Os adolescentes, que são primos, usaram uma espada de madeira e uma faca do tipo peixeira para matarem a vítima. A cabeça foi jogada em um lixão, à beira de uma estrada.

Chamados por vizinhos, militares foram até o local, onde encontraram os adolescentes sentados em uma escada, em frente à casa da vítima, dando gargalhadas. “Ao verificarmos a entrada da casa da vítima, em frente onde os menores estavam, deparamos com o portão semiaberto e encontramos a vítima decapitada, com o braço esquerdo arrancado e colocado sobre o corpo, com várias perfurações, inclusive com um buraco no tronco, na altura do coração”, diz o boletim de ocorrência.

Os suspeitos assumiram a autoria do crime. Eles contaram à polícia que tinham planejado matar Cruz havia mais de uma semana e que, para executarem o crime, decidiram embebedá-lo. Segundo a polícia, os adolescentes tentaram arrancar o coração da vítima, mas, como saiu “uma coisa escura”, desistiram. Eles disseram que então cortaram a cabeça e a jogaram em um lixão. Em um primeiro momento, o garoto de 16 anos negou o crime, mas ria e piscava para o primo. Já esse disse que a dupla  matou Cruz, pois ele “era um folgado” e os teria ameaçado com uma faca.

A motivação do crime seria vingança. Noé Rosa da Cruz teria agredido o adolescente de 16 anos no início do mês. A vítima também teria acusado o de 15 de vários furtos no bairro Palmeiras, o que levou o garoto a ser questionado por um traficante da área que não permite crime na comunidade. Os menores foram apreendidos. O delegado Luciano Lima os encaminhou ao IML para serem submetidos a exames de corpo de delito.

Vizinhos disseram ter visto os garotos arrombando a casa da vítima e cometendo o crime, mas não chamaram a polícia por medo de represálias, já que a dupla é parente de um criminoso perigoso do bairro, que está preso.

Da redação – com O tempo